Diagnóstico preciso pode ajudar a detectar câncer de próstata

Exames de prevenção são muito importantes para descobrir precocemente possíveis doenças e auxiliar a cura do paciente.


O câncer de próstata é o segundo tumor com maior incidência entre homens no Brasil, atrás apenas do câncer de pulmão. A descoberta precoce e tratamento da doença possibilitam a cura do paciente, evitando conseqüências mais sérias. Mas, infelizmente, boa parte dos homens esbarra no preconceito e fica receoso de fazer os exames necessários para diagnosticar possíveis problemas.

Segundo o médico e Professor Titular de Urologia da Unicamp, Carlos D´Ancona, o câncer de próstata está bastante ligado a fatores genéticos e a hábitos alimentares. “Os Estados Unidos apresentam a maior incidência de câncer do mundo, ao contrário dos países do Oriente, onde a freqüência da doença é menor. Um dos motivos é uma alimentação muito mais saudável, com base em produtos como soja e peixe, que possuem efeito protetor em relação à doença”, afirma D´Ancona.

Para quem não tem casos de câncer de próstata na família, o exame preventivo é indicado a partir dos 45 anos, com a realização de toque retal e a dosagem do antígeno prostático específico ou PSA. O toque retal é aquele que o médico especialista examina se há um aumento da glândula prostática ou se a mesma apresenta nódulos. Já o PSA é um exame de sangue que mede níveis de uma substância liberada pela próstata. Em caso de toque anormal e/ou PSA elevado, o paciente deve ser submetido a uma ultra-sonografia transretal com biópsia da próstata.

Biópsia da Próstata

Segundo o médico Adilson Prando, radiologista do Centro Radiológico Campinas, e Hospital Vera Cruz, instituições que são referência no assunto, a biópsia de próstata é feita por intermédio do exame chamado ultra-sonografia transretal (USTR), isto é, por intermédio de uma pequena sonda (transdutor) que permite uma avaliação precisa do tamanho e da textura da próstata. “Pela USTR associada ao Doppler em cores, podemos identificar a presença de nódulos suspeitos (nódulos hipoecogênicos), ou então, a presença de maior número de vasos sanguíneos tortuosos e irregulares, que são achados de imagem suspeitos de câncer”, afirma.
O risco de um paciente apresentar câncer como resultado da primeira biopsia da próstata (biopsia positiva) varia conforme os seus níveis da dosagem do PSA e, se foi encontrada ou não, alteração no exame de toque retal. “De maneira geral, varia de 30 a 40%”, afirma Prando. Nos pacientes com persistência da alteração ao toque retal ou níveis de PSA elevado ou, elevando-se, freqüentemente o urologista solicita uma segunda biopsia.

Novos caminhos

Embora seja ainda um método experimental e em constante evolução, a realização do exame chamado espectroscopia da próstata por ressonância magnética pode ser útil. Ele tem como propriedade detectar áreas metabolicamente suspeitas de câncer e que ficaram “escondidas” ao exame ultra-sonográfico transretal, sendo particularmente útil em homens com próstata maiores que 60 -70 gramas (próstatas grandes). A área com alterações metabólicas suspeitas de câncer encontrada pela espectroscopia é então projetada na imagem obtida pelo ultra-som transretal e adequadamente biopsiada.

“Estudos preliminares indicam que talvez este exame possa servir inclusive como instrumento adicional valioso para predizer em casos duvidosos se o câncer detectado pela biopsia é clinicamente significativo ou não. Dessa maneira fica mais fácil optar pelo tratamento mais eficaz”, acrescenta Prando.

MÍDIAS SOCIAIS

  • Foursquare
  • Facebook
  • Youtube

LOCALIZAÇÃO

Casarão do Café
(19) 3739-3700
Avenida Andrade Neves, 707
Campinas/SP
CEP: 13013-161
Localização

Hospital Vera Cruz
(19) 3739-3700
Avenida Andrade Neves, 402
Campinas/SP
CEP: 13013-160
Localização